Cinco estágios de desenvolvimento da leitura segundo Maryanne Wolf

 “ A alfabetização não é uma habilidade única que simplesmente  melhora. Ser alfabetizado é muito diferente para um aluno do primeiro ano, quarto ano, estudante do ensino médio e adultos, e os efeitos das experiências escolares podem ser bastante diferente em diferentes pontos do desenvolvimento de uma criança.” Catherine Snow, et al, 1991, pg. 9

A alfabetização não é algo que simplesmente acontece. Não se acorda alfabetizado nem se alfabetiza da mesma forma que se aprende a andar. Não é intuído do meio ambiente nem é simplesmente uma questão de maturação física. A alfabetização requer instrução e prática, e essa aprendizagem ocorre em estágios distintos. As notas a seguir exploram os cinco estágios do desenvolvimento da leitura, conforme proposto por Maryanne Wolf (2008) em seu livro “Proust and the Squid: The Story and Science of the Reading BrainEssas cinco etapas são:

  • O pré-leitor emergente (normalmente entre 6 meses a 6 anos de idade);
  • O leitor novato (normalmente entre 6 e 7 anos);
  • O leitor de decodificação (normalmente entre 7 – 9 anos);
  • O leitor fluente e compreensivo (normalmente entre 9 e 15 anos); e
  • O leitor especialista (normalmente a partir dos 16 anos).

Nota preliminar # 1: “Como todo professor sabe, o envolvimento emocional é o ponto de inflexão entre saltar para a vida da leitura … Uma influência extremamente importante no desenvolvimento da compreensão na infância é o que acontece depois de lembrar, prever e inferir: nós sentimos, identificamo-nos e no processo compreendemos mais plenamente e mal podemos esperar para virar a página. A criança … muitas vezes precisa de incentivo sincero de professores, tutores e pais para tentar encontrar um material de leitura mais difícil.” (Wolf, 2008, p 132)

“Sem um investimento afetivo e compromisso, nossas palavras tornam-se ininteligíveis e vazias; com esse compromisso, as palavras começam a mostrar outras maneiras de significação além do reino do significado literal e da correspondência.” (Krebs, 2010, pág. 138)

Nota preliminar # 2: ao longo desse longo período de desenvolvimento, os leitores precisam consolidar certas habilidades apenas para encontrar novos desafios. A única regra que se aplica igualmente é a seguinte: “Os especialistas [concordam] que os leitores, não importa qual método de leitura seja seguida, devem praticar, praticar, praticar”. (Você precisa de / l / / e / / r / para ler). Não há melhor maneira de exemplificar isso do que na seguinte anedota do livro de Maryanne Wolf, Proust and the squid: The Story and Science of the Reading Brain.

“Não me lembro daquele primeiro momento em que soube que podia ler, mas algumas das minhas memórias – de uma pequena escola, de duas salas com oito séries e dois professores – evocam muitos pedaços do que a linguagem espera que Anthony Bashir chama de ‘história natural ‘da vida de leitura. A história natural da leitura começa com exercícios simples, práticas e precisão, e termina, se alguém tiver sorte, com as ferramentas e a capacidade de ‘saltar para a transcendência’.” (Wolf, 2008, p 109)

“Minha outra memória vívida daqueles dias centra-se na irmã Salesia, fazendo o máximo para ensinar as crianças que pareciam não conseguir aprender a ler. Eu a observei ouvindo pacientemente as tortuosas tentativas dessas crianças durante o dia escolar, e então tudo de novo depois da escola, uma criança de cada vez … Meu melhor amigo, Jim, … parecia uma versão pálida de si mesmo, chegando hesitante com os sons da letra que a irmã Salesia pediu. Virou meu mundo eles trabalharam em silêncio e com determinação depois que as aulas terminaram.” (Wolf, 2008, p 111 – 112)

Etapa 1: o pré-leitor emergente (normalmente entre 6 meses a 6 anos de idade)

“O pré-leitor emergente senta-se em ‘colos amados’, amostras e aprende com uma ampla gama de vários sons, palavras, conceitos, imagens, histórias, exposição à impressão, materiais de alfabetização e simplesmente conversa durante os primeiros cinco anos de vida. O principal insight neste período é que a leitura nunca acontece simplesmente a ninguém. A leitura emergente surge de anos de percepções, aumentando o desenvolvimento conceitual e social e exposições cumulativas à linguagem oral e escrita.” (Wolf, 2008, p 115)

“Embora cada uma das regiões sensoriais e motoras seja mielinizada e funcione independentemente antes de uma pessoa completar cinco anos de idade, as principais regiões do cérebro que fundamentam nossa capacidade de integrar informações visuais, verbais e auditivas rapidamente – como o giro angular – não são totalmente mielinizados na maioria dos humanos até os cinco anos de idade e depois … O que concluímos desta pesquisa é que os muitos esforços para ensinar uma criança a ler antes dos quatro ou cinco anos de idade são biologicamente precipitados e potencialmente contraproducentes para muitos crianças. (Wolf, 2008, p 94-96)

Ao final dessa etapa, a criança “finge” que está lendo, pode – com o tempo – recontar uma história ao olhar as páginas de um livro que lhe foi lido, pode nomear letras do alfabeto; pode reconhecer alguns sinais; pode imprimir o próprio nome; e brinca com livros, lápis e papel. A criança adquire habilidades ao ser lido para ela em forma de dialogo por um adulto (ou criança mais velha) que responde às perguntas da criança e que valoriza calorosamente o interesse da criança pelos livros e pela leitura. A criança entende milhares de palavras que ouvem aos 6 anos, mas consegue ler poucas ou nenhuma delas.

Etapa 2: o leitor iniciante (normalmente entre 6 e 7 anos)

Nesta fase, a criança está aprendendo as relações entre letras e sons e entre palavras impressas e faladas. A criança começa a ler um texto simples contendo palavras de alta frequência e palavras fonicamente regulares, e usa habilidades e percepções emergentes para “soar” novas palavras monossilábicas. Há instrução direta nas relações letra-som (fônica). A criança está lendo em um nível acima do que uma criança pode ler independentemente para desenvolver padrões de linguagem, vocabulário e conceitos mais avançados. No final do Estágio 2, a maioria das crianças consegue entender até 4.000 ou mais palavras quando ouvidas, mas consegue ler cerca de 600.

“Qualquer que seja seu ambiente de alfabetização, quaisquer que sejam seus métodos de instrução … as tarefas para … todo leitor novato começa aprendendo a decodificar a impressão e a entender o significado do que foi decodificado. Para chegar lá, cada criança deve descobrir o princípio alfabético que nossos ancestrais levaram milhares de anos para descobrir.” (Wolf, pág. 116)

“A grande descoberta para um leitor novato é … [o] conceito cada vez mais consolidado de que as letras se conectam aos sons da língua.” (Wolf, pp 117)

“Aprender todas as regras de correspondência grafema-fonema na decodificação vem a seguir para ela, e isso envolve uma parte da descoberta e muitas partes de trabalho duro. Ajudando ambos estão três capacidades de decifrar códigos: as áreas fonológica, ortográfica e semântica do aprendizado de línguas.” ... “Gradualmente, eles aprendem a ouvir e manipular os fonemas menores em sílabas e palavras, e essa habilidade é um dos melhores indicadores do sucesso de uma criança em aprender a ler.” (Wolf, pp117)

Um método útil para ajudar os leitores novatos com consciência e combinação de fonemas envolve ‘registro fonológico’. Este pode parecer apenas um termo pretensioso para ler em voz alta, mas ‘ler em voz alta’ seria um termo muito simples para o que é realmente um processo dinâmico de duas partes. Ler em voz alta ressalta para as crianças a relação entre sua linguagem oral e escrita. Ele fornece aos leitores novatos sua própria forma de autodidatismo.” (Wolf, pág. 118)

“Ler em voz alta também expõe ao professor e a qualquer ouvinte as estratégias e erros comuns típicos de uma criança em particular.” (Wolf, pp 119)

“Em todos os domínios da aprendizagem – desde andar de bicicleta até compreender o conceito de morte – as crianças se desenvolvem ao longo de um continuum de conhecimento, passando de um conceito parcial para um conceito estabelecido.” (Wolf, pág. 116)

Ortografia

“O desenvolvimento ortográfico consiste em aprender a totalidade dessas convenções visuais para representar uma determinada língua, com seu repertório de padrões de letras comuns e de usos aparentemente irregulares … As crianças aprendem as convenções ortográficas passo a passo.” (Wolf, pp 120)

“Qualquer que seja a etiqueta, o desenvolvimento ortográfico para leitores novatos requer múltiplas exposições para imprimir – prática com qualquer outro nome.” (Wolf, pp 120-121)

“O aprendizado explícito de padrões comuns de vogais, unidades de morfemas e padrões de ortografia variados em inglês (por exemplo, os grupos espinhosos de consoantes que precedem muitas palavras) auxiliam no trabalho do sistema visual.” (Wolf, pp 121)

Semântica (vocabulário)

“Para algumas crianças, o conhecimento do significado de uma palavra empurra sua decodificação hesitante para a coisa real.” (Wolf, pp 122)

“Para milhares de leitores novatos em decifrar códigos … o desenvolvimento semântico desempenha um papel muito mais importante do que muitos defensores da fonética reconhecem, mas muito menos do que assumem os defensores da linguagem inteira.” (Wolf, pp 122)

“Se o significado da palavra desajeitadamente decodificada da criança estiver disponível, seu enunciado tem uma chance melhor de ser reconhecido como uma palavra e também lembrado e armazenado.” (Wolf, pp 123)

“A instrução explícita do vocabulário na sala de aula resolve alguns dos problemas, mas os leitores novatos precisam aprender muito mais do que o significado superficial de uma palavra, mesmo para suas histórias simples. Eles também precisam ter conhecimento e flexibilidade em relação aos múltiplos usos e funções de uma palavra em diferentes contextos.” (Wolf, pp 124)

Etapa 3: o leitor de decodificação (normalmente entre 7 e 9 anos de idade)

Nesse estágio, a criança está lendo histórias e seleções simples e familiares com fluência crescente. Isso é feito consolidando os elementos básicos de decodificação, vocabulário visual e significado na leitura de histórias e seleções familiares. Há instrução direta em habilidades avançadas de decodificação, bem como ampla leitura de materiais familiares e interessantes. A criança ainda está lendo em níveis acima de seu próprio nível de leitura independente para desenvolver a linguagem, o vocabulário e os conceitos. No final do Estágio 3, cerca de 3.000 palavras podem ser lidas e compreendidas e cerca de 9.000 são conhecidas quando ouvidas. Ouvir ainda é mais eficaz do que ler.

“Se você ouvir crianças na fase do leitor decodificador, vai ‘ouvir’ a diferença. Já se foram as pronúncias dolorosas, embora emocionantes … Em seu lugar, vem o som de um leitor mais suave e confiante prestes a se tornar fluente.” (Wolf, págs. 127)

“Nesta fase de semifluência, os leitores precisam adicionar pelo menos 3.000 palavras ao que podem decodificar, fazendo com que os 37 padrões de letras aprendidos anteriormente não sejam mais suficientes. Para fazer isso, eles precisam ser expostos ao próximo nível de padrões de letras comuns e aprender as variações incômodas dos rimes baseados em vogais e pares de vogais.” (Wolf, pp. 127-128)

“Além disso, eles aprendem a ‘ver’ os pedaços automaticamente. ‘Palavras de visão’ adicionam elementos importantes para as realizações de leitores novatos. ‘Sight-chunks’ impulsionam a semi-fluência no leitor de decodificação. Quanto mais rápido uma criança pode ver que ‘decapitado’ está sendo + head + ed, mais provável é que uma identificação de palavra mais fluente permitirá a integração desta palavra horrível.” (Wolf, pág. 128)

“O reconhecimento fluente de palavras é significativamente impulsionado tanto pelo vocabulário quanto pelo conhecimento gramatical. Os materiais cada vez mais sofisticados que os leitores de decodificação estão começando a dominar são muito difíceis se as palavras e seus usos raramente ou nunca são encontrados pelas crianças.” (Wolf, pp 129)

“A cada passo à frente na leitura e na grafia, as crianças aprendem tacitamente muito sobre o que há dentro de uma palavra – ou seja, os caules, raízes, prefixos e sufixos que constituem os morfemas de nossa língua.” (Wolf, pp 129)

“E eles começam a ver que muitas palavras compartilham raízes comuns exibidas ortograficamente que transmitem significados relacionados, apesar das diferentes pronúncias (por exemplo, sinal, signatário, assinado, assinatura, assinatura).” (Wolf, pp 129-130) 

Fluência não é questão de velocidade; é uma questão de ser capaz de utilizar todo o conhecimento especial que uma criança tem sobre uma palavra – suas letras, padrões de letras, significados, funções gramaticais, raízes e terminações – rápido o suficiente para ter tempo para pensar e compreender. Tudo sobre uma palavra contribui para a rapidez com que ela pode ser lida. O objetivo de se tornar fluente, portanto, é ler – realmente ler – e compreender.” (Wolf, pp 130 – 131)

“Com certeza, os leitores de decodificação são ariscos, jovens e estão apenas começando a aprender como usar seu conhecimento crescente da linguagem e seu crescente poder de influência para descobrir um texto. A neurocientista Laurie Cutting, de John Hopkins, explica algumas habilidades não linguísticas que contribuem para o desenvolvimento da compreensão de leitura nessas crianças: por exemplo, como elas podem alistar funções executivas essenciais, como memória de trabalho, e habilidades de compreensão, como inferência e analogia.” (Wolf, pp 131)

  • CV: Um script que você pode ler fluentemente funciona com você de maneira muito diferente de um que você pode escrever; mas não decifrar facilmente. Você pode bloquear seus pensamentos como se estivesse em um caixão.

Fluência não garante melhor compreensão; em vez disso, a fluência dá tempo extra ao sistema executivo para direcionar a atenção onde é mais necessário – para inferir, compreender, prever ou, às vezes, reparar a compreensão discordante e interpretar um significado de novo.” (Wolf, pp 131)

“É o momento em que as crianças aprendem pela primeira vez a ir ‘além das informações fornecidas’. É o começo do que será a contribuição mais importante para o cérebro da leitura: hora de pensar.” (Wolf, pp. 132)

“Uma criança nesta fase de desenvolvimento também precisa saber simplesmente que deve ler uma palavra, frase ou parágrafo uma segunda vez para entendê-los corretamente. Saber quando reler um texto (por exemplo, revisar uma interpretação falsa ou obter mais informações) para melhorar a compreensão é parte do que [é referido] como ‘monitoramento da compreensão’.” (Wolf, pp 132)

“[El] enfatiza a importância da criança nesta fase de desenvolvimento de uma criança ser capaz de mudar estratégias se algo não fizer sentido, e do papel poderoso do professor em facilitar essa mudança.” (Wolf, pp. 132)

Barreira para o leitor de decodificação

-> “30 a 40 por cento das crianças no quinta ano não se tornam leitores fluentes com compreensão adequada … Uma questão quase invisível … é o destino dos jovens alunos do ensino fundamental que leem com precisão (o objetivo básico na maioria das pesquisas de leitura), mas não fluentemente nos anos 3 e 4.” (Wolf, pp 135)

-> “Razões … se prestam ao diagnóstico: como, um ambiente pobre, um vocabulário pobre e instrução não adequada às suas necessidades. Algumas dessas crianças tornam-se leitores capazes de decodificar, mas nunca leem rápido o suficiente para compreender o que leem.” (Wolf, pp 136)

Estágio 4: O Leitor Fluente e Compreensivo (normalmente entre 9 e 15 anos de idade)

Nesse estágio, a leitura é usada para aprender novas ideias a fim de adquirir novos conhecimentos, experimentar novos sentimentos, aprender novas atitudes e explorar questões a partir de uma ou mais perspectivas. A leitura inclui o estudo de livros didáticos, obras de referência, livros comerciais, jornais e revistas que contêm novas ideias e valores, vocabulário e sintaxe desconhecidos. Há um estudo sistemático do significado das palavras e os alunos são orientados a reagir aos textos por meio de discussões, respondendo a perguntas, gerando perguntas, escrevendo e muito mais. No início do Estágio 4, a compreensão auditiva do mesmo material ainda é mais eficaz do que a compreensão leitora. No final do Estágio 4, ler e ouvir são quase iguais para aqueles que leem muito bem, a leitura pode ser mais eficiente.

“O leitor no estágio de leitura de compreensão fluente acumula coleções de conhecimento e está pronto para aprender de todas as fontes.” (Wolf, pp 136)

“Neste momento, professores e pais podem ser induzidos a pensar que uma criança entende todas as palavras que está lendo, por meio de uma leitura fluente.” (Wolf, p 136)

“Mesmo quando um leitor compreende os fatos do conteúdo, o objetivo neste estágio é mais profundo: uma maior capacidade de aplicar uma compreensão dos diversos usos das palavras – ironia, voz, metáfora e ponto de vista – para ir abaixo da superfície do texto.” (Wolf, págs. 137)

“O mundo da fantasia apresenta um ambiente de retenção conceitualmente perfeito para crianças que estão saindo dos estágios mais concretos do processamento cognitivo. Um dos momentos mais poderosos na vida da leitura … ocorre quando os leitores fluentes e compreensivos aprendem a entrar na vida de heróis e heroínas imaginários.” (Wolf págs. 138)

“Os processos de compreensão crescem de forma impressionante em lugares como estes, onde as crianças aprendem a conectar o conhecimento anterior, prever consequências terríveis ou boas … interpretar como cada nova pista, revelação ou parte do conhecimento adicionado muda o que sabem.” (Wolf, pp. 138)

“O especialista em leitura Richard Vacca descreve a mudança como um desenvolvimento de ‘decodificadores fluentes’ para ‘leitores estratégicos’ – ‘leitores que sabem como ativar o conhecimento prévio antes, durante e depois da leitura, para decidir o que é importante em um texto, para sintetizar informações, para fazer inferências durante e após a leitura, para fazer perguntas e para automonitorar e reparar a compreensão defeituosa.” (Wolf, pp. 138)

“Um conhecido psicólogo educacional, Michael Pressley, afirma que as duas maiores ajudas para a compreensão fluente são a instrução explícita dos professores de uma criança nas principais áreas de conteúdo e o desejo da própria criança de ler. O diálogo com seus professores ajuda os alunos a fazerem a si mesmos perguntas críticas que vão à essência do que estão lendo.” (Wolf, pp 139)

“Van den Broek, Tzeng, Risden, Trabasso e Basche (2001) estudaram os efeitos de questionamentos influentes sobre compreensão de leitura em alunos da quarta, sétima e décima série, bem como em universitários. Eles descobriram que as perguntas feitas durante a leitura do texto ajudaram a desviar a atenção para informações específicas para leitores mais velhos e mais proficientes. Porém, interferiu na compreensão dos alunos da quarta e sétima séries, que tiveram melhor desempenho quando as perguntas vieram depois, e não durante a leitura. (Fisher, Frey & Hattie, 2016, p. 38)

“[Este é um] período de crescente autonomia e compreensão fluente. A tarefa do jovem nesta quarta fase estendida do desenvolvimento da leitura é aprender a usar a leitura para toda a vida – tanto dentro da sala de aula, com seu número crescente de áreas de conteúdo, quanto fora da escola, onde a vida da leitura se torna um ambiente seguro para explorar o mudando descontroladamente os pensamentos e sentimentos da juventude.” (Wolf, pp 140)

Etapa 5: O Leitor Especialista (normalmente a partir de 16 anos)

“Toda leitura começa com atenção – na verdade, vários tipos de atenção. Quando leitores experientes olham para uma palavra (como ‘urso’), as três primeiras operações cognitivas são: (1) desligar-se de tudo o que outra pessoa está fazendo; (2) para mover nossa atenção para o novo foco (puxando-nos para o texto); e (3) para destacar a nova letra e palavra.” (Wolf, pp 145) 

“William Stafford expressou o primeiro elemento nessas mudanças quando escreveu como ‘uma qualidade de atenção’ é dada a nós.” (Wolf, pp 156)

“A maneira como atendemos a um texto muda com o tempo à medida que aprendemos a ler … de forma mais discriminatória, mais sensível, mais associativa.” (Wolf, pp 156)

“O neurocientista cognitivo Marcel Just e sua equipe de pesquisa da Carnegie Mellon levantam a hipótese de que, quando os especialistas fazem inferências durante a leitura, há pelo menos um processo de duas fases no cérebro, que inclui tanto a geração de hipóteses quanto sua integração ao conhecimento do leitor sobre a texto.” (Wolf, pp 160)

“O grau em que a leitura de especialistas muda ao longo de nossa vida adulta depende muito do que lemos e como lemos.” (Wolf, pp 156)

Nesse estágio, o aluno está lendo amplamente uma ampla variedade de materiais complexos, tanto expositivos quanto narrativos, com uma variedade de pontos de vista. Os alunos estão lendo amplamente as disciplinas, incluindo as ciências físicas, biológicas e sociais, bem como as humanidades, política e assuntos atuais. A compreensão de leitura é melhor do que a compreensão oral de materiais de conteúdo e legibilidade difíceis. Os alunos são regularmente solicitados a planejar a escrita e sintetizar as informações em textos coesos e coerentes.

“O fim do desenvolvimento da leitura não existe; a história interminável da leitura avança sempre, deixando o olho, a língua, a palavra, o autor para um novo lugar a partir do qual a ‘verdade irrompe, fresca e verde’, mudando o cérebro e o leitor a cada vez”. (Wolf, 2008, p 162)

Fonte: https://www.theliteracybug.com/stages

Referências

  • Fisher, D., Frey, N., & Hattie, J. (2016). Visible learning for literacy (Grades K-12): Implementing the practices that work best to accelerate student learning. Thousand Oaks, CA :Corwin Literacy
  • Humphrey, N. (2006). Seeing red: a study in consciousness. Cambridge, MA: Belknap Press.
  • Krebs, V. (2010). The bodily root: seeing aspects and inner experience. In W. Day and V. Krebs (Eds), Seeing Wittgenstein anew. (pp. 120 – 139). Cambridge: Cambridge University Press.
  • Van den Broek, P., Tzeng, Y., Risden, K., Trabasso, T., and Basche, P. (2001) Inferential questioning: Effects on comprehension of narrative texts as a function of grade and timing. Journal of Educational Psychology, 93(3), 521-529.
  • Wittgenstein, L. (1980). Culture and value. Translated by Peter Winch. Chicago: The University of Chicago Press.
  • Wolf, M. (2008). Proust and the squid: the story and science of the reading brain. Cambridge: Icon Books. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário